Como Calcular Imposto De Renda Sobre Aluguel Recebido?

Como Calcular Imposto De Renda Sobre Aluguel Recebido

Como fazer o cálculo de IRRF sobre aluguel 2023?

Nos casos em que o locador recebe valor de aluguel de R$ 2.700, imposto cai de R$ 59,90 para R$ 4,50 (considerando a dedução de R$ 528); Nos casos em que o locador recebe valor de aluguel de R$ 3.700, imposto cai de R$ 200,20 para R$ 105,40 (considerando a dedução de R$ 528);

Qual o valor de Imposto de Renda para aluguel?

Todo contribuinte que mora de aluguel precisa declarar? – Não. Para o inquilino pessoa física que em 2022 recebeu, no total, rendimentos tributáveis em montante inferior a R$ 28.559,70 não é obrigatória a entrega de declaração de ajuste anual – desde que também não se enquadre em outras hipóteses de obrigatoriedade.

Como funciona a retenção de IRRF sobre aluguel?

Quando efetuar a retenção do IRRF – Primeiramente, para determinarmos se haverá ou não a retenção do imposto de renda na fonte (IRRF) no pagamento de aluguéis, devemos identificar quem são os sujeitos do contrato de locação, ou seja, quem é o locador – proprietário ou possuidor do imóvel – e quem é o locatário, aquele que contrata a locação e é responsável pelo pagamento.

Qual é o fato gerador do IRRF de aluguel?

2. Quando ocorre o fato gerador do Imposto de Renda, nos casos em que o aluguel de imóvel é repassado ao locador no mês subsequente ao do recebimento pela imobiliária? – Na locação, o fato gerador da retenção na fonte ocorre no mês em que o locatário efetuar o pagamento do aluguel à imobiliária, independentemente de quando ele tenha sido repassado para o locador.

Como calcular IR sobre aluguel de pessoa física?

Como calcular o IR sobre aluguel Por exemplo: se o valor bruto do aluguel recebido for de R$ 3 mil e as despesas dedutíveis forem de R$ 500, o valor líquido será de R$ 2,5 mil e o imposto devido será de R$ 375 (15% de R$ 2,5 mil).

Qual a alíquota do Imposto de Renda sobre aluguel 2023?

Nova tabela do Imposto de Renda

De Até Alíquota
R$2.112,01 R$2.826,65 7,50%
R$2.826,66 R$3.751,06 15%
R$3.751,07 R$4.664,68 22,50%
Acima R$4.664,69 27,50%

É obrigatório declarar recebimento de aluguel?

Quem recebe e paga aluguel precisa informar os valores se for obrigado a declarar o Imposto de Renda 2023. Caso contrário, o contribuinte pode cair na malha fina, tendo a declaração retida e não poderá receber a restituição, se tiver uma quantia a receber da Receita Federal.

O que acontece se eu não declarar aluguel recebido?

A omissão dos pagamentos do aluguel na declaração do imposto de renda pode resultar em um problemão. Ao deixar de declarar os valores pagos com a locação do imóvel, o contribuinte pode receber uma multa de 20% do valor não declarado e ainda pode responder por um processo criminal.

Qual a vantagem de declarar aluguel pago?

O aluguel de imóvel é dedutível do imposto de renda – As deduções são os valores que o contribuinte pode abater da base de cálculo do imposto, que é formada pelos rendimentos tributáveis. Em outras palavras, são os gastos feitos ao longo do ano que, se declarados, podem reduzir o valor que o contribuinte deve pagar de imposto ou aumentar a restituição.

  • Com o PL 709/2022, o aluguel de imóvel é dedutível do imposto de renda, ou seja, os valores pagos pelos inquilinos poderão ser deduzidos da base de cálculo do IR.
  • Isso incentiva a declaração desses valores no imposto, já que pode representar uma economia para quem paga aluguel.
  • Além de incentivar os contribuintes a declarar o aluguel no imposto de renda por meio dos benefícios econômicos, o PL 709/2022 também aumenta a multa para quem omitir ou falsificar as informações do contrato de aluguel na declaração.

A nova lei determina que as multas relativas à falta de pagamento ou recolhimento de IR serão aplicadas em dobro quando envolverem renda resultante do aluguel de imóvel residencial. Essa multa pode chegar a 150% do imposto devido.

Como ficou a isenção do Imposto de Renda 2023?

Leia também – O texto prevê que os trabalhadores que ganham até R$ 2.112 por mês não tenham mais que pagar o Imposto de Renda. A isenção, atualmente, é para aqueles que recebem até R$ 1.903,98. No entanto, para que o aumento da isenção e do salário mínimo se tornem oficiais, é preciso que o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), sancione a medida.

  • Também foi aprovada a possibilidade dos contribuintes não isentos optarem por um desconto de R$ 528 em relação ao imposto devido, sem necessidade de comprovar despesas à Receita Federal,
  • Na prática, pessoas físicas que recebem mensalmente até R$ 2.640, também não terão de pagar IRPF se optarem por essa dedução simplificada.

Não foram alteradas as alíquotas para as demais faixas de rendimentos mensais, que, porém, também serão beneficiadas com o aumento da faixa de isenção. A mudança da faixa de isenção tem efeitos no Imposto de Renda do ano que vem, mas quem tem desconto na fonte já deverá observar a mudança no valor retido no salário do próximo mês.

Como não pagar Imposto de Renda de aluguel?

8. Se for casado(a), declare separadamente a renda de propriedades que alugar para outras pessoas – Ainda dentro do escopo de dicas relacionadas à declaração de aluguéis que podem ajudar a pagar menos no IR, lembre-se de que, quando um casal faz a declaração separadamente, pode diminuir o imposto sobre a renda tributável de cada um e se livrar do Carnê-Leão relacionado ao valor recebido pela locação das propriedades,

Qual a alíquota do Imposto de Renda sobre aluguel 2023?

As alíquotas Imposto de Renda 2023 variam de 7,5% a 27,5% dependendo da renda do contribuinte.

Qual a vantagem de declarar aluguel pago?

O aluguel de imóvel é dedutível do imposto de renda – As deduções são os valores que o contribuinte pode abater da base de cálculo do imposto, que é formada pelos rendimentos tributáveis. Em outras palavras, são os gastos feitos ao longo do ano que, se declarados, podem reduzir o valor que o contribuinte deve pagar de imposto ou aumentar a restituição.

Com o PL 709/2022, o aluguel de imóvel é dedutível do imposto de renda, ou seja, os valores pagos pelos inquilinos poderão ser deduzidos da base de cálculo do IR. Isso incentiva a declaração desses valores no imposto, já que pode representar uma economia para quem paga aluguel. Além de incentivar os contribuintes a declarar o aluguel no imposto de renda por meio dos benefícios econômicos, o PL 709/2022 também aumenta a multa para quem omitir ou falsificar as informações do contrato de aluguel na declaração.

A nova lei determina que as multas relativas à falta de pagamento ou recolhimento de IR serão aplicadas em dobro quando envolverem renda resultante do aluguel de imóvel residencial. Essa multa pode chegar a 150% do imposto devido.

O que acontece se eu não declarar aluguel recebido?

A omissão dos pagamentos do aluguel na declaração do imposto de renda pode resultar em um problemão. Ao deixar de declarar os valores pagos com a locação do imóvel, o contribuinte pode receber uma multa de 20% do valor não declarado e ainda pode responder por um processo criminal.

O que pode ser deduzido do Imposto de Renda?

Imposto de Renda Info

    • Todos os anos, a Receita Federal publica uma Instrução Normativa com as regras e os procedimentos para entrega da declaração do imposto de renda. Em 2023, está obrigado a entregar a declaração quem, no ano anterior:
      • Recebeu rendimentos tributáveis (salários, aposentadoria, aluguéis.) acima de R$ 28.559,70;
      • Recebeu rendimentos isentos (FGTS, indenização trabalhista, pensão alimentícia.) acima de R$ 40 mil;
      • Teve receita bruta de atividade rural acima de R$ 142.798,50;
      • Pretende compensar prejuízos de atividade rural;
      • Teve ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto;
      • Realizou operação em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas acima de R$ 40 mil ou com apuração de ganhos líquidos sujeitos ao imposto;
      • Tinha em 31 de dezembro posse ou propriedade de bens acima de R$ 300 mil;
      • Passou à condição de residente no Brasil.

      Quem constar como dependente na declaração de outra pessoa, não precisa fazer uma declaração própria.

    • O fato de ser MEI ou participar do CNPJ de uma empresa não obriga a apresentar a declaração do imposto de renda. Porém, as atividades do MEI ou das empresas geram para as pessoas físicas rendimentos que são classificados como tributáveis ou isentos e estes rendimentos sim podem obrigar a declarar. Ou seja, se o MEI (pessoa física por trás do empreendimento) ou o sócio de uma empresa tiver recebido no ano anterior rendimentos acima dos limites, estará obrigada a apresentar a declaração do imposto de renda.
    • Até 2022, sim. Quem operou em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas, esteve obrigado a declarar o imposto de renda, independentemente de valor, lucro ou prejuízo. Em 2023, somente quem operou na bolsa com valores acima de R$ 40 mil ou apurou ganhos líquidos sujeitos ao imposto está obrigado a declarar.
    • O fato de ter recebido uma herança (rendimento isento) não obriga a declarar o imposto de renda. Porém, uma das obrigatoriedades de entrega da declaração é para quem, em 31 de dezembro do ano anterior, possuía bens acima de R$ 300 mil ou recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte que somados ultrapassem R$ 40 mil. Se o valor da herança se enquadra em uma destas situações, a pessoa passa a ser obrigada a entregar a declaração.
    • O FGTS é um rendimento isento. Quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40 mil é obrigado a declarar.
    • Ter uma doença grave não obriga nem desobriga ninguém a declarar. O que obriga são os limites de rendimentos, o patrimônio ou as demais situações mencionadas nas questões acima.
    • A idade não obriga nem desobriga a entregar a declaração. Um recém-nascido ou uma pessoa idosa podem estar obrigados a declarar o imposto de renda se estiver enquadrada em uma das situações de obrigatoriedade.
    • Ano-Calendário é o ano em que os fatos aconteceram. Exercício é o ano em que se faz a declaração de imposto de renda. Por exemplo, na declaração do imposto de renda do exercício de 2022, devem ser declarados os rendimentos recebidos durante o ano-calendário de 2021 (de 01 janeiro até 31 de dezembro), ou seja, do ano anterior. Os rendimentos recebidos a partir de 1º de janeiro de 2022 deverão constar na declaração do exercício de 2023; e assim por diante.
    • Você pode fazer e entregar a sua declaração de imposto de renda pela plataforma online (direto na internet), pelo aplicativo Meu Imposto de Renda para celulares e tablets ou baixando o programa e instalando no seu computador. Com a conta gov.br de nível prata ou ouro, você pode iniciar a declaração pré-preenchida, já com as informações recebidas pela Receita Federal de empresas, bancos, médicos, entre outros; o que facilita o preenchimento e evita erros. Você também pode começar a declaração em uma plataforma, salvar online e continuar em outra.
    • A declaração pré-preenchida está disponível em todas as plataformas (online, programa e app para celulares e tablets). Para iniciar a declaração é preciso ter uma conta gov.br com nível prata ou ouro de segurança. Basta fazer o acesso sua conta e clicar em “Iniciar declaração pré-preenchida”.
    • O prazo para entrega da declaração do imposto de renda de 2023 é de 15 de março até 31 de maio de 2023.
    • A Receita Federal cobra multa de quem está obrigada a entregar a declaração não fizer até o fim do prazo. O valor da multa é de 1% ao mês, sobre o valor do imposto de renda devido, limitado a 20% do valor do imposto de renda. O valor mínimo da multa é de R$ 165,74. A multa é gerada no momento da entrega da declaração e a notificação de lançamento fica junto com o recibo de entrega. Você terá 30 (trinta) dias para pagar a multa. Após este prazo, começam a correr juros de mora (taxa Selic). O DARF da multa pode ser emitida pelo programa baixado no seu computador, pelo app no seu celular ou pelo e-CAC, na opção Meu Imposto de Renda. Para as declarações com direito à restituição, se a multa não for paga dentro do vencimento, ela será deduzida (descontada), com os respectivos acréscimos legais (juros), do valor do imposto a ser restituído. Mas se você não concorda com a multa, ou seja, considera que entregou a declaração dentro do prazo, por exemplo, ou entende que a multa não é devida por algum outro motivo, você pode apresentar, dentro dos 30 (trinta) dias do vencimento, uma impugnação (defesa).
    • O imposto de renda é calculado aplicando um percentual sobre a base de cálculo. A base de cálculo é tudo que a pessoa recebeu de rendimentos tributáveis menos as despesas dedutíveis. Ou seja, quanto menor a base de cálculo, menor o imposto. Quanto maior as despesas dedutíveis, menor o imposto. Por exemplo: Se uma pessoa recebeu rendimentos anuais de R$ 50 mil e possui despesas dedutíveis de R$ 5 mil somente pagará imposto sobre a base de cálculo que é R$ 45mil. Você pode escolher entre as despesas dedutíveis (deduções legais) ou o desconto padrão de 20% (desconto simplificado), limitado a R$ 16.154,34 (desconto máximo). Mas atenção! Se usar o desconto padrão, não poderá utilizar as despesas. Seguindo o exemplo anterior, havendo somente R$ 5 mil de despesas dedutíveis, seria melhor escolher o desconto simplificado de 20% (R$ 10 mil) que reduziria a base de cálculo para R$ 40 mil.
    • Na entrega de declaração original (a primeira entregue do ano) o número do recibo de entrega da declaração anterior é opcional, Ele é solicitado para fazer uma vinculação com a declaração anterior. Na entrega de declaração retificadora (para corrigir a anterior do mesmo ano) o número do recibo de entrega da declaração anterior é obrigatório, Ele é solicitado para identificar a declaração que está sendo substituída. O número do recibo de entrega da declaração pode ser obtido pelo programa utilizado para o envio, pelo app ou pelo e-CAC.
    • O PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livres) é um plano de previdência, que você pode utilizar como despesa dedutível na declaração do imposto de renda, até o limite de 12% dos rendimentos tributáveis. Os valores pagos no ano devem ser declarados na ficha de pagamentos efetuados no código 36 Previdência Complementar. O VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livre) é um plano de previdência, que funciona como um fundo de investimento para aposentadoria. A despesa com VGBL não é dedutível, O saldo em 31 de dezembro deve ser informado na declaração de imposto de renda na ficha de bens e direitos, no grupo Outros Bens e Direitos, no código 06 VGBL. Os rendimentos recebidos do VGBL são tributáveis e devem ser declarados:
      • no quadro “Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica”, caso tenha optado pela tributação progressiva; ou
      • no quadro “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, caso tenha optado pela tributação por essa forma de tributação.
    • Bens adquiridos após 31/12/1995 devem ser declarados pelo seu valor de aquisição (sem aplicação de qualquer correção), mesmo que estejam valendo mais ou menos.
    • Não precisa informar na declaração:
      1. saldos de contas correntes bancárias e demais aplicações financeiras até R$ 140,00;
      2. bens móveis (exceto veículos automotores, embarcações e aeronaves) adquiridos por menos de R$ 5.000,00;
      3. quotas de uma mesma empresa, negociadas ou não em bolsa de valores, bem como ouro, ativo financeiro, cujo valor de aquisição seja menor do que R$ 1.000,00;
      4. dívidas e ônus reais de valor igual ou inferior a R$ 5.000,00.

      Normalmente as linhas telefônicas possuem valores baixos, mas se for declarada, deve ser classificada no grupo Bens Móveis, código 99 – Outros Bens Móveis.

    • Sim, a partir de 2022 passou a ser obrigatória a conta gov.br, com qualquer nível, para preencher e entregar a declaração pelo celular ou tablet, Contudo, para fazer a declaração pré-preenchida e ter acesso aos demais serviços pelo app, é preciso ter uma conta de nível prata ou ouro,
    • Acessando com uma conta gov.br de nível ouro ou prata, você pode consultar todas as declarações e recibos de entrega.
    • Sim. Acessando com a conta gov.br de nível prata ou ouro, você pode fazer a declaração pré-preenchida pelo celular ou tablet,
    • Sim. Acessando com sua conta gov.br de nível prata ou ouro, você pode consultar eventuais pendências e as orientações sobre como resolvê-las.
    • Sim. Mas, para isso, é necessário que a pessoa tenha feito previamente uma “Autorização de Acesso” no “Meu Imposto de Renda” (app ou online) dela utilizando uma conta gov.br prata ou ouro. É possível receber a autorização para fazer a declaração de até 5 pessoas.
      • Despesa dedutível é o valor que pode ser legalmente reduzido dos seus rendimentos, fazendo com que sua base de cálculo do imposto seja menor, e consequentemente você pague menos imposto.
      • A lei prevê como despesas dedutíveis: dependentes, saúde, educação, previdência, pensão alimentícia e livro-caixa.
      • Já as deduções incentivadas são valores que podem reduzir diretamente o valor do imposto devido, como, por exemplo, as doações para fundos da criança e adolescente ou idoso.

      Atenção! É muito importante que toda despesa informada na declaração esteja amparada por documentos (recibo, nota fiscal, comprovante de pagamento etc.) que contenham a identificação (CPF ou CNPJ) tanto de quem recebeu o serviço como de quem o prestou.

    • É possível deduzir da base de cálculo o valor de R$ 2.275,08 por dependente, desde que:
      • o dependente possua CPF;
      • sejam incluídos todos os rendimentos, pagamentos e bens do dependente;
      • o dependente conste somente em 1 (uma) declaração (exceto nos casos de mudança de dependência no ano-calendário);

      Para o cálculo da idade deve ser considerado se o dependente teve a idade limite em algum dia do ano-calendário. Por exemplo, se o filho universitário tinha 24 anos e, nesse mesmo ano, completou 25 anos, ainda assim poderá ser considerado dependente na declaração; Podem ser dependentes:

      • Companheiro(a) com quem o contribuinte tenha filho ou viva há mais de 5 anos, ou cônjuge, independentemente se o casal for hetero ou homoafetivo;
      • Filho(a) ou enteado(a), até 21 anos de idade, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
      • Filho(a) ou enteado(a), se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, até 24 anos de idade;
      • Filho(a) ou enteado(a) com deficiência, de qualquer idade, quando a sua remuneração não exceder as deduções autorizadas por lei.
      • Irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
      • Irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 24 anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, desde que o contribuinte tenha detido sua guarda judicial até os 21 anos;
      • Irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a) com deficiência, sem arrimo dos pais, do(a) qual o contribuinte detém a guarda judicial, em qualquer idade, quando a sua remuneração não exceder as deduções autorizadas por lei.
      • Pais, avós e bisavós que, no ano anterior, tenham recebido rendimentos, tributáveis ou não, até R$ 22.847,76;
      • Menor pobre até 21 anos que o contribuinte crie e eduque e de quem detenha a guarda judicial;
      • Pessoa absolutamente incapaz, da qual o contribuinte seja tutor ou curador.
    • O pagamento de pensão alimentícia pode ser utilizado como despesa dedutível, no valor estabelecido pela decisão judicial ou acordo homologado judicialmente, ou por escritura pública específica. Não há previsão legal para dedução de pagamentos de pensão alimentícia decorrentes de sentença arbitral. Ou seja, mesmo havendo um acordo entre as partes não é possível a dedução que não esteja amparada por decisão judicial ou por escritura pública.
    • Temos três figuras:
      • Quem paga ( alimentante ): a pessoa obrigada ao pagamento da pensão alimentícia;
      • Beneficiário ( alimentando ): a pessoa que tem direito a receber pensão alimentícia;
      • Responsável: a pessoa que recebe a pensão, quando o beneficiário não pode receber.

      Exemplo: Juiz condena pai a pagar pensão apenas para o filho (menor) e o filho mora com a mãe. O pai é quem paga (alimentante). Na declaração do pai, o filho constará como alimentando e o pagamento da pensão será uma despesa dedutível (declarada na ficha de pagamentos como pensão paga ao filho, mesmo que seja a mãe quem receba). O filho não pode ser declarado como dependente e nem suas despesas poderão ser deduzidas pelo pai, ressalvadas algumas exceções. A mãe é a responsável pelo recebimento dos valores do filho. Se a mãe em sua declaração não colocar o filho como dependente não deverá informar nenhum valor de pensão recebida. O valor recebido de pensão é do filho, Mas, se a mãe informar o filho como dependente, deverá incluir também a pensão alimentícia recebido pelo dependente (filho). Este rendimento declarado pela mãe, é um rendimento do filho, e deve ser incluído na ficha de rendimentos isentos e não tributáveis recebidos pelo dependente. O filho é o beneficiário (alimentando). Se fizer declaração própria deverá declarar a pensão alimentícia recebida. Mas, se constar como dependente na declaração da mãe, a mãe deverá incluir a pensão alimentícia recebida pelo dependente (filho). Não há previsão legal para dedução de valores pagos decorrentes de sentença arbitral. Ou seja, mesmo havendo um acordo entre as partes não é possível a dedução que não esteja amparada por decisão judicial ou por escritura pública.

    • O beneficiário da pensão alimentícia determinada por decisão judicial ou acordo homologado judicialmente, ou por escritura pública. Se o beneficiário for dependente de uma declaração de imposto de renda, o valor da pensão alimentícia deve ser informada nessa declaração.
    • O alimentando é a pessoa que tem direito a receber uma pensão alimentícia. Note que o alimentando não é necessariamente quem recebe na prática os valores (a mãe, por exemplo, responsável pelo menor de idade), e sim aquele que a decisão judicial ou a escritura definiu como tal. No outro lado, o alimentante é aquele que deve pagar a pensão alimentícia. Ao informar o CPF do alimentando, deverá ser informado também quem é o responsável pelo pagamento (pode ser o titular da declaração ou algum dependente).
    • Dependente e alimentando são figuras diferentes na declaração do imposto de renda. Normalmente, quem é dependente não pode ser alimentando na mesma declaração. Alimentando é quem recebe pensão alimentícia em função de uma decisão judicial ou acordo homologado judicialmente, ou por escritura pública.
    • Somente podem ser deduzidas as despesas médicas do titular e dos dependentes que estejam na declaração. Despesas médicas com alimentando somente são dedutíveis se decorrentes de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente, ou por escritura pública específica. Consideram-se despesas médicas os pagamentos efetuados a médicos, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, hospitais, planos de saúde e as despesas provenientes de exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas e dentárias. Exceto se integrarem a conta emitida pelo estabelecimento hospitalar, não são dedutíveis as despesas:
      • referentes a acompanhante, inclusive de quarto particular utilizado por este;
      • que estejam cobertas por apólices de seguro ou quando ressarcidas;
      • óculos, cadeira de rodas, muletas, prótese de silicone, aplicação de botox.
      • despesas com enfermeiro, acupuntura, nutricionista, instrumentador cirúrgico.
      • medicamentos, vacinas, testes de Covid-19.
    • São dedutíveis as despesas com saúde do próprio contribuinte e dos dependentes, sem limite de valor, pagas a médicos, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos ou hospitais. Por outro lado, não são dedutíveis as despesas com outros profissionais como nutricionistas, enfermeiros, assistentes sociais e instrumentadores cirúrgicos, a não ser que sejam incluídos na conta hospitalar.
    • Todo pagamento de procedimento médico, realizado em estabelecimento médico, por profissional médico, pode ser utilizado como dedução. Procedimentos realizados por profissionais não considerados médicos e fora de estabelecimento médico não podem ser deduzidos (exemplo, serviços de enfermagem, nutricionistas.).
    • São dedutíveis as despesas com educação do contribuinte ou de seus dependentes, desde que referentes a:
      • educação infantil, compreendendo as creches e as pré-escolas (crianças até 5 anos de idade);
      • ensino fundamental;
      • ensino médio e educação superior, compreendendo os cursos de graduação e de pós-graduação (mestrado, doutorado e especialização);
      • educação profissional, compreendendo o ensino técnico e o tecnológico.

      Não pode utilizar: cursos de idiomas, artes, dança, atividades esportivas e culturais, tampouco despesas com uniforme, transporte, material escolar e didático, como a aquisição de notebook, tablet e computador. Embora haja um limite máximo de dedução por pessoa (R$ 3.561,50), todo o valor da despesa deve ser declarado. O programa do imposto de renda fará a limitação e considerará como dedutível apenas o limite por pessoa.

    • O pagamento de planos de previdência privada ou complementar podem ser deduzidos no imposto de renda até o limite de 12% do rendimento tributável. Atenção : A despesa com PGBL é dedutível. A despesa com VGBL não. Mais detalhes: veja as questões 316, 317, 319 e 320 no Perguntas e Respostas IRPF2022.
    • Também podem ser deduzidas:
      • As despesas registradas no livro-caixa em decorrência do exercício da atividade não assalariada (autônoma), desde que essenciais para a realização do trabalho, como aluguel, conta de água, luz, telefone e outros (limitada ao valor dos rendimentos dessa atividade);
      • Os honorários advocatícios, dos rendimentos tributáveis de ações judiciais;
      • As despesas de imóveis alugados (IPTU, condomínio, taxas, etc.), do valor do aluguel recebido, desde que pagas pelo locador e não pelo inquilino.
    • Diferente das despesas dedutíveis, que reduzem o total de rendimentos tributáveis, as doações incentivadas reduzem diretamente o imposto devido. Na prática, não é uma doação e sim uma destinação de parte do imposto devido. Essa destinação pode ser feita durante o ano-calendário (de janeiro a dezembro) ou no momento da entrega da declaração. As doações para fundos de assistência à criança e adolescente, para fundos de assistência ao idoso, de incentivo à cultura, à atividade audiovisual e ao desporto podem ser realizadas durante o ano-calendário. No momento da entrega da declaração, só é possível doar para os fundos de assistência (da criança e adolescente ou idosos). As doações para fundos de assistência (da criança e adolescente ou idosos) somente são dedutíveis se os fundos forem controlados pelos conselhos municipais, estaduais ou nacional. As doações realizadas a asilos, orfanatos e similares não são equivalentes aos fundos aqui tratados e, por isso, não são dedutíveis.
    • No momento da entrega da declaração, você pode optar por destinar até 3% do imposto devido para os fundos dos direitos da criança e do adolescente, e até mais 3% para os fundos do idoso. O contribuinte continuará pagando o mesmo, apenas separando uma parte para essa destinação. Exemplo: se você apurou um imposto devido de R$ 1000,00 e teve, durante o ano, retenção na fonte ou pagou carnê-leão de R$ 400,00, você tem a pagar R$ 600,00 de imposto. Neste caso, você poderá destinar R$ 30 (3% de R$ 1000,00) para um fundo da criança e do adolescente e mais R$ 30 (3% de R$ 1000,00) para um fundo do idoso. O programa emitirá três DARFs, sendo um para o fundo da criança no valor de R$ 30; outro, para o fundo do idoso no valor de R$ 30; e outro para pagamento do saldo do imposto de renda tributo no valor de R$ 540. Você é quem escolhe para qual fundo deseja destinar o valor.
    • Não há previsão legal para essas deduções, mas profissionais autônomos que escrituram livro-caixa podem abater dos rendimentos recebidos as despesas consideradas essenciais às suas atividades, como aluguel, conta de água, luz, telefone e outros. Honorários advocatícios podem ser abatidos dos rendimentos tributáveis decorrentes de ações judiciais.
    • A isenção por moléstia grave alcança somente rendimentos de aposentadoria, pensão, reforma e reserva remunerada, Os rendimentos do trabalho (assalariado e não assalariado) continuam sendo tributados normalmente. São consideradas doenças graves para fins de isenção do imposto de renda:
      • tuberculose ativa;
      • alienação mental;
      • mal de Alzheimer (se comprovada alienação mental);
      • esclerose múltipla;
      • neoplasia maligna;
      • cegueira (inclusive monocular);
      • hanseníase;
      • paralisia irreversível e incapacitante;
      • cardiopatia grave;
      • doença de Parkinson;
      • espondiloartrose anquilosante;
      • nefropatia grave;
      • estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante);
      • contaminação por radiação;
      • síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids);
      • hepatopatia grave;
      • fibrose cística (mucoviscidose) e
      • Síndrome da Talidomida

      Somente são aceitos laudos periciais expedidos por instituições públicas, independentemente da vinculação destas ao Sistema Único de Saúde (SUS). Os laudos periciais expedidos por entidades privadas não atendem à exigência legal e, portanto, não são aceitos, mesmo se o atendimento decorra de convênio referente ao SUS. O laudo pericial é o documento emitido por médico legalmente habilitado ao exercício da profissão de medicina, integrante de serviço médico oficial da União, dos estados, do Distrito Federal ou dos municípios, independentemente de ser emitido por médico investido ou não na função de perito, observadas a legislação e as normas internas específicas de cada ente.

      1. Os valores que você recebe de pensão alimentícia não são mais tributados pelo imposto de renda, em razão do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 5422, publicada no dia 23/08/2022.
      2. Você deve declarar o rendimento na aba “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” da declaração, selecionando o tipo de rendimento “Pensão Alimentícia”, ou, se não estiver disponível, o tipo “Outros”, escrevendo “Pensão Alimentícia” na descrição (declaração de 2022 e anteriores).
      3. Informe o beneficiário, o pagador e o valor recebido.
    • Nada mudou. Você deve continuar declarando anualmente o pagamento da pensão, que continua dedutível, colocando o CPF do alimentando (aquele que tem direito a pensão).
    • Não, somente a pensão alimentícia, As demais pensões, inclusive a pensão por morte, continuam sendo consideradas rendimentos tributáveis.
    • Sim. Retifique (corrija) as declarações dos últimos anos retirando o rendimento da aba ” Rendimentos Tributáveis ” e inserindo na aba ” Rendimentos Isentos e Não Tributáveis “. Você pode enviar a declaração retificadora por qualquer meio (programa, online ou app para celular). Com a retificação, as seguintes situações podem acontecer:
      • Se o valor de imposto a restituir aumentar, a diferença será depositada na sua conta bancária informada na declaração, seguindo o cronograma de lotes e prioridades legais.
      • Se o valor do imposto a pagar for reduzido, o que você pagou a mais pode ser devolvido. Para os exercícios anteriores a 2022 faça o pela opção online (Per/Dcomp Web). Para o exercício de 2022, baixe e instale o programa Per/Dcomp no seu computador para fazer o pedido.
    • Retifique (corrija) as declarações e exclua (preencha com zero) a pensão alimentícia da aba ” Rendimentos Tributáveis recebidos de PF/Exterior “, mantendo a informação do carnê-leão pago. O carnê-leão (código de receita 0190) e a complementação mensal (código de receita 0246) são considerados antecipação do imposto de renda. Portanto, os pagamentos realizados durante o ano de 2022 serão considerados no cálculo do imposto devido na declaração de 2023. Se no ajuste anual o resultado for de imposto a restituir, você receberá esse valor normalmente.
    • Em algumas situações o sistema pode impedir o envio de declaração retificadora pela internet, como por exemplo, quando o valores foram parcelados ou inscritos em Dívida Ativa da União (DAU). Nestes casos, ao tentar enviar a declaração o sistema informa o erro “R16” (redução de débito parcelado) ou “E02” (débito inscrito em DAU). Para resolver, baixe o arquivo “,dec ” da declaração retificadora gerado pelo programa, salve a tela com a mensagem de erro (faça um print ) e escreva em um documento o motivo da necessidade de retificação. Em seguida, salve tudo em um pendrive, ou HD externo, e procure uma unidade da Receita Federal. Verifique a possibilidade de,
      • Erro R16: Parcelamento
      • Se você parcelou o imposto devido, além de pedir o envio da declaração retificadora, solicite ao atendente a abertura de um processo para incluir, por escrito, o motivo da revisão e os documentos que comprovam a situação.
      • Assim que o pedido de revisão for aprovado, você poderá pedir a restituição das parcelas pagas a mais.
      • Erro E02: Dívida Ativa da União
      • Se o imposto devido já foi inscrito em Dívida Ativa da União, além de pedir o envio da declaração retificadora, acesse o sistema da PGFN e faça o Pedido de Revisão de Débito Inscrito (PRDI).
      • Assim que o pedido de revisão for aprovado, você poderá pedir a restituição de valores pagos indevidamente,
    • Recomendamos não desistir do parcelamento. Isso pode dificultar ou impedir o ajuste dos sistemas para liberar a restituição. Depois de enviar a declaração retificadora e protocolar o pedido de revisão de débitos, recomendamos das parcelas. Se não conseguir desativar pelo e-CAC, solicite a um de nossos atendentes.
    • A Receita Federal está analisando as alternativas para agilizar a revisão dos lançamentos de ofício de declarações com rendimentos de pensão alimentícia.
    • A Receita Federal está analisando as alternativas para agilizar a revisão dos lançamentos de ofício de declarações com rendimentos de pensão alimentícia.
    • Se você não se enquadra em outras situações que obriguem à entrega da declaração, peça o cancelamento dela e a revisão do lançamento da multa por atraso na entrega da declaração. Para abrir os processos fale com um de nossos atendentes pelo Chat, disponível no Portal e-CAC. Para ser dispensado da entrega, o valor de pensão alimentícia recebida deve ficar abaixo do limite de rendimentos isentos, que atualmente é R$ 40.000,00.
    • Se você não informou seu filho como dependente para não somar seus rendimentos com a pensão alimentícia, você não aproveitou as deduções previstas (escola, médicos etc.). Você pode retificar sua declaração e incluir seu filho desde que você tenha optado pela tributação com deduções legais e seu filho não tenha enviado uma declaração própria (como titular). A declaração com desconto simplificado não inclui dedução por dependente e não é permitido alterar a forma de tributação após o prazo legal. Se seu filho(a) enviou declaração própria, ele precisa pedir o cancelamento da declaração dele antes de você retificar a sua.
    • Sim. A pensão alimentícia está sujeita às mesmas regras dos demais rendimentos isentos. Se você somente recebe rendimentos isentos, o valor deve ser maior do que R$ 40.000,00 para estar obrigado a enviar a declaração.
    • Se sua declaração resultar em imposto a pagar, você pode escolher entre:
      • quota única, com vencimento no último dia do prazo de entrega da declaração; ou
      • pagamento em até 8 quotas mensais, desde que cada quota não seja inferior a R$ 50,00.

      A primeira quota vence no último dia do prazo de entrega da declaração e as demais nos meses seguintes, com cobrança de juros. O imposto inferior a R$ 100,00 e os valores da destinação aos fundos da criança e do adolescente e do idoso devem ser pagos em quota única.

    • Há duas formas de pagar o imposto:
      • Por DARF, que pode ser emitido pelo próprio programa, pelo e-CAC ou pelos app para celular e tablets usado para enviar a declaração.
      • Por débito automático, informando banco, agência e conta válidas.

      Para que a primeira quota (ou única) seja paga por débito automático, a declaração deve ser enviada até o dia 10 de maio. Se a declaração for enviada após esta data, o débito automático será realizado a partir da 2ª (segunda) quota e, portanto, a primeira deve ser paga por DARF. É muito importante garantir que na data de vencimento de cada quota existam recursos disponíveis na conta.

      1. Mesmo após a entrega da declaração é possível optar pelo débito automático das quotas pelo portal e-CAC, sem precisar retificar a declaração.
      2. O valor da destinação aos fundos da criança e do adolescente e do idoso só podem ser pagos por DARF.
      3. Atenção!

      As informações sobre o débito automático são encaminhadas aos bancos até o dia 10 de cada mês. Portanto, alterações da conta após essa data provavelmente não terão efeito no mesmo mês.

    • Não. Está dispensado o recolhimento do imposto de valor inferior a R$ 10,00.
    • Ganho de capital é a diferença positiva entre o valor de alienação (venda, por exemplo) de bens ou direitos e o respectivo custo de aquisição (compra, por exemplo). As pessoas físicas que tiverem ganhos de capital devem, regra geral, apurar e pagar imposto de renda sobre eles. Assim, se você vendeu um bem ou direito, deve apurar se houve ou não ganho de capital. Havendo resultado positivo, deverá pagar o imposto sobre o ganho de capital. A Receita Federal disponibiliza um programa específico (Ganhos de Capital), que permite lançar os valores da venda e da compra, e apurar o ganho de capital. O programa calcula as isenções e as reduções, e gera o DARF para pagar o imposto de renda sobre o ganho de capital. No ano seguinte, os registros desse programa poderão ser importados para sua Declaração de Imposto de Renda (DIRPF), facilitando o preenchimento.
    • São responsáveis pelo pagamento do imposto sobre ganho de capital:
      • Alienante do bem ou direito, se residente no País (quem vende);
      • Procurador do alienante, em nome deste, se este for não-residente no País;
      • Inventariante, em nome do espólio, nos casos de transferências causa mortis (falecimento);
      • Doador, no caso de doação, inclusive em adiantamento da legítima (adiantamento da herança);
      • Ex-cônjuge ou ex-convivente a quem, na dissolução da sociedade conjugal ou da união estável, for atribuído o bem ou direito objeto da tributação;
      • Cedente, na cessão de direitos hereditários.
    • A lei prevê o pagamento do imposto de renda mensalmente, no momento que recebemos os rendimentos (durante o ano-calendário). Por isso, pagamos o imposto, seja pela retenção na fonte (quando recebido de empresas) ou pelo pagamento do Carnê-Leão (quando recebido de pessoas físicas ou de fontes situadas no exterior). No ano seguinte ao recebimento dos rendimentos (exercício) é feita a declaração de ajuste do imposto de renda, onde informamos tudo que recebemos e tudo o que foi pago (ou retido) de imposto no ano-calendário. O programa do imposto de renda faz os cálculos e verifica se:
      • O imposto já pago foi exatamente o valor devido, gerando uma declaração sem saldo a pagar ou a receber;
      • O imposto já pago foi menor que o devido, gerando declaração com imposto a pagar;
      • O imposto já pago foi maior que o devido, gerando declaração com imposto a restituir.

      A restituição do imposto de renda, portanto, é a devolução do valor do imposto pago a mais durante o ano-calendário.

    • Mensalmente a Receita Federal recebe do Tesouro recursos para pagar as restituições e cria lotes bancários. A inclusão nesses lotes obedece aos seguintes critérios legais:
      1. Pessoa Idosa com idade igual ou superior a 80 anos;
      2. Pessoa Idosa com idade igual ou superior a 60 anos, pessoa com deficiência e pessoa com doença grave;
      3. Contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério;
      4. Contribuintes que utilizaram a declaração pré-preenchida e/ou optaram por receber a restituição por PIX;
      5. Demais Contribuintes.

      Havendo empate nos critérios, quem entregou primeiro tem prioridade dentro do mesmo grupo. A restituição só pode ser creditada em conta (corrente, poupança, pagamento) com o CPF do titular da declaração ou por PIX, desde que a chave seja o CPF do titular da declaração. Se for encontrada alguma inconsistência nas informações, a sua declaração pode cair em malha, para uma análise mais profunda. Enquanto permanecer a pendência, sua restituição não será paga. Porém, se não houver nenhuma pendência, a declaração entrará na fila para pagamento da restituição, seguindo os critérios acima.

    • A restituição será paga na conta indicada na declaração, mas o valor só pode ser creditado em conta corrente, poupança ou pagamento que pertença ao CPF do titular da declaração. A partir de 2022 também é possível receber por PIX, desde que a chave seja o CPF do titular da declaração. A partir da declaração de 2023, a escolha pelo pagamento da restituição por PIX é um dos critérios de prioridade para o recebimento da restituição, após as prioridades legais. Se você informar uma conta bancária com CPF diferente do titular da declaração, a restituição não será paga e você terá que reagendar o crédito da restituição com a Central de Atendimento do Banco do Brasil (4004-0001 capitais ou 0800-729-0001 demais locais), informando uma conta válida.
    • Sim, desde que a chave PIX seja o CPF do titular da declaração. Chaves de e-mails, telefones ou aleatórias não podem ser utilizadas para recebimento de restituição do imposto de renda. Não existe prioridade de restituição pela forma de crédito, ou seja, o valor será creditado na mesma data independente da opção de recebimento: em conta corrente, pagamento, poupança ou PIX. Se a chave PIX (CPF do titular da declaração) não estiver cadastrada (associada a uma conta válida), o valor não será creditado e o contribuinte terá que reagendar o crédito da restituição com a Central de Atendimento do Banco do Brasil (4004-0001 capitais ou 0800-729-0001 demais locais), informando uma conta válida.
    • A partir de 2022 o pagamento da restituição do imposto de renda será realizada apenas em bancos que fazem parte da rede arrecadadora de impostos, mas você pode receber a restituição em qualquer banco cadastrado na sua chave PIX (precisar ser a chave CPF). Para receber a sua restituição via PIX, marque essa opção na declaração e os valores serão enviados para a conta vinculada ao seu CPF.
    • Não precisa retificar a declaração. Basta alterar a chave PIX para a conta nova.
    • Quando você envia a sua declaração, ela passa por uma análise pelos sistemas da Receita Federal, onde são verificadas as informações que você enviou e as informações fornecidas por outras entidades, que também têm que prestar informações à Receita, como empresas, instituições financeiras, planos de saúde e outros. Se for encontrada alguma diferença entre as informações apresentadas por você e as informações apresentadas pelos outros, a sua declaração será separada para uma análise mais profunda. É o que se chama de Malha Fiscal (ou “malha fina”, como é popularmente conhecida). Você não receberá a sua restituição enquanto a sua declaração estiver em Malha Fiscal.
    • Para saber se a sua declaração está em malha, acesse o e-CAC ou o app, com sua conta gov.br de nível prata ou ouro. Você pode ver se sua declaração está em malha e por qual motivo ela foi retida. Se a declaração está em malha porque você cometeu algum erro no preenchimento ou deixou de informar alguma coisa, você pode fazer uma retificação da sua declaração, desde que ainda não tenha recebido o termo de intimação ou a notificação de lançamento.
    • Grande parte dos problemas decorrem de erro de preenchimento. A falta de atenção, a digitação indevida e o preenchimento incompleto das informações muitas vezes fazem a declaração ficar retida para análise. É importante preencher a declaração com calma e sempre confrontando com os documentos comprobatórios. Na malha, as principais retenções decorrem de:
      • omissão de rendimentos : quando a pessoa não informa os rendimentos recebidos ou informa em valor inferior. Isso muitas vezes acontece com aqueles rendimentos recebidos eventualmente, por um trabalho temporário ou um serviço prestado ocasionalmente;
      • omissão de rendimentos dos dependentes : ao incluir um dependente na declaração, todos os rendimentos recebidos por ele também devem ser incluídos. Muitas vezes, filhos, mesmo menores, fazem trabalhos temporários e recebem remuneração. Toda remuneração recebida pelo dependente deve ser declarada;
      • despesas médicas não confirmadas : quando o valor declarado como despesa médica não foi confirmado pelo profissional, clínica ou hospital;
      • despesas médicas não dedutíveis : algumas despesas, por mais necessárias que sejam, não possuem previsão legal para dedução: massagista, nutricionista, enfermagem, compra de óculos, cadeira de rodas, medicamentos, vacinas, testes de farmácia (inclusive COVID-19). A exceção é quando essas despesas integram a conta emitida pelo estabelecimento hospitalar.
    • A correção dos erros é feita enviando uma declaração retificadora, que substitui integralmente a anterior. Você tem 5 anos para corrigir os erros em sua declaração, desde que a Receita Federal não tenha iniciado o procedimento fiscal. Se você já recebeu uma intimação ou notificação as diferenças apuradas poderão ser cobradas com multa e juros.
    • O primeiro passo é consultar a situação da restituição. A consulta pode ser feita pelo site da Receita Federal ou pelo celular, utilizando o app Meu Imposto de Renda. Se a situação da restituição estiver como ‘Enviada para o banco, mas não creditada’ provavelmente foi informada uma conta inválida. Reagende o pagamento ligando para o Banco do Brasil (telefone 4004-0001 capitais ou 0800-729-0001 demais locais) e informe uma conta válida que pertença ao CPF do titular da declaração. Se a situação da restituição estiver como ‘em fila de espera’, ‘em processamento’ ou ‘em análise’, altere a conta pelo e-CAC, entrando em Meu Imposto de Renda. Para fazer isso é necessário ter uma conta gov.br com nível prata ou ouro. Se você ainda não possui, você também pode enviar uma declaração retificadora, alterando os dados bancários.
    • A cópia está disponível no Meu Imposto de Renda (app ou online no e-CAC), pela opção “Documentos e Arquivos”. O serviço está disponível para pessoas com a conta gov.br de níveis prata ou ouro.
    • A cópia do recibo está disponível no Meu Imposto de Renda (app ou online no e-CAC), pela opção “Documentos e Arquivos”. O serviço está disponível para pessoas com a conta gov.br de níveis prata ou ouro.
    • A fonte pagadora dos rendimentos é obrigada a lhe entregar o comprovante anual de rendimentos. A Receita Federal também disponibiliza essas informações (desde que a fonte pagadora tenha enviado à Receita). O comprovante de rendimentos pode ser consultado no Meu Imposto de Renda (app ou e-CAC), acessando com a conta gov.br de nível prata ou ouro.

: Imposto de Renda