Tabela De Queda De Tensão Por Distância Online?

Como achar a queda de tensão?

A esmagadora maioria das fontes te ensina a calcular a queda de tensão em um circuito com a seção do cabo já especificada, e então é necessário repetir o cálculo com bitolas diferentes para saber qual utilizar. Esse processo por tentativa e erro acaba sendo mais lento e trabalhoso.

  1. Nós, da Brasiltec, lhe ensinaremos a chegar no resultado de forma direta.
  2. Você determina a queda de tensão máxima, e o método lhe indicará qual a seção mínima do cabo.
  3. Sabendo que os condutores ficam ligados em série com a carga, podemos afirmar que a corrente elétrica que circula por ambos é a mesma, enquanto a tensão se divide.

A parcela dos volts que ficam nos cabos é chamada de queda de tensão. Na maioria dos casos, o valor máximo admitido de queda de tensão entre o quadro e a carga é 4%. Adotando esse valor, e supondo que a tensão nominal seja 220V, nosso valor máximo de queda de tensão é 8,8V (220 × 4 ÷ 100).

A corrente elétrica que usaremos em nosso exemplo de instalação é de 32A. Para obter a resistividade máxima do cabo em circuitos monofásicos, devemos dividir esse valor de tensão, em volts, pela corrente, em amperes. Temos 8,8 ÷ 32 = 0,275Ω. Considerando que temos 100m entre o painel e a carga, devemos considerar 200m no cálculo (o dobro), já que a corrente elétrica precisa ir por um condutor e voltar pelo outro.

Neste caso, cada metro do cabo pode ter no máximo 0,001375Ω. Agora basta consultar qual bitola tem a resistividade por metro igual ou menor ao valor calculado. Abaixo está uma tabela genérica, mas o sugerido é consultar na tabela do fabricante do cabo, pois haverá pequenas variações: Neste caso, a menor bitola aceitável é de 16mm². Recapitulando as etapas de forma resumida: Em circuitos trifásicos, as etapas são as mesmas. O detalhe que muda é em relação ao comprimento dos condutores, pois em vez de multiplicar a distância por 2, é necessário multiplicar por 1,73. Neste caso fica da seguinte forma: A seção do cabo também pode ser obtida através da resistividade do cobre, alumínio, ou qualquer outro material, mas sabendo que na prática ela muda de acordo com o fabricante, acabamos tendo um resultado menos próximo do real. Esse método leva em consideração somente o critério da queda de tensão.

Qual a tolerância de queda de tensão?

Postada em: 04/12/2018 Quando se projeta uma instalação elétrica é preciso considerar a capacidade de corrente elétrica dos condutores, em ampère, uma condição até que bastante conhecida pelo público geral. Entretanto, existe um detalhe que nem sempre quem vai fazer a instalação leva em consideração: a queda de tensão.

  1. Vamos aos fatos.
  2. A queda da tensão elétrica faz com que não se tenha na tomada a tensão correta, ou em um ponto de iluminação.
  3. Por exemplo, em circuitos longos, se a queda de tensão for muito significativa, pode ocorrer de equipamentos eletrônicos não ligarem, o chuveiro elétrico não aquecer como deveria, luzes ficarem fracas, etc.

Isso ocorre devido ao consumo de energia e ao comprimento do condutor, ou seja, comprimento do circuito elétrico. Assim, quanto mais comprido é o circuito, maior a queda de tensão. Para resolver a questão é necessário utilizar um condutor elétrico de seção maior.

  • Reforçando que em circuitos longos, muitas vezes o fio precisa ter uma seção nominal muito maior para reduzir a queda da tensão.
  • A norma NBR-5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão define que a queda de tensão máxima permitida em um circuito terminal é de 4%.
  • Na Tabela do Eletricista disponível no site da SIL Fios e Cabos Elétricos ( /pt/eletricista/tabelas.aspx ) é possível consultar a forma de fazero cálculo correto da queda de tensão para os circuitos.

Utilizamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Somos responsáveis pelo tratamento de seus dados pessoais de acordo com a LGPD. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade

Como calcular queda de tensão NBR 5410?

1 – Limites de queda de tensão fixados pela NBR 5410: 4% para as instalações alimentadas diretamente pela rede de distribuição pública de baixa tensão; e 7% para as insta- lações que contam com subestação própria ou com geração própria. Além disso, a queda de tensão máxima admissível nos circuitos terminais é de 4%.

O que é v a KM?

PRINCIPAIS TABELAS E DADOS Queda de Tensão (V) = Queda de tensão tabelada (V/A.Km) x corrente do circuito (A) x comprimento (Km).

Como calcular o fio que devo usar?

Através de uma conta simples, que envolve a Tensão (volts), a Potência (watts) e a Corrente Elétrica (ampères), podemos calcular a bitola do fio ou cabo. Para isso use a fórmula: I = P/U, onde I é Corrente, P é Potência e U é Tensão.

Como saber a bitola do fio que devo usar?

Quanto maior a bitola, maior a capacidade de corrente elétrica. Por exemplo, bitolas de 1,5 mm² são indicadas para circuitos com corrente máxima de 15,5 ampères. Fios com bitolas de 10 mm² são usados para circuitos de até 50 ampères. Já bitolas de 120 mm² suportam uma corrente de até 239 ampères.

Qual o mínimo de tensão?

A tensão arterial é considerada normal quando está no intervalo entre 8 (mínima) e 12 (máxima). Uma tensão arterial com valores acima de 14/9 é considerada elevada e, se frequente, pode provocar a hipertensão, Por sua vez, uma tensão arterial com valores abaixo de 9/8 é considerada baixa e pode levar à hipotensão,

Qual limite de tensão 220v?

OSCILAÇÃO DE ENERGIA. DANO ELÉTRICO. INDENIZAÇÕES (Por ODILIO LOBO, ADVOGADO OAB/PR 28746, ENEGNHEIRO ELETRICISTA, ENGENHEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES, CREA/PR 8177/D, [email protected])

  • Os fóruns cíveis brasileiros, em todos os cantos do país, estão abarrotados de processos judiciais utilizados por consumidores de energia elétrica, ou por seguradoras que se sub-rogam nos direitos deles, para requerer indenizações pelo que se convencionou denominar danos elétricos.
  • Na maioria dos casos o que se pede em tais demandas é o ressarcimento de prejuízos experimentados ou porque se alega que o fornecimento de energia elétrica foi prestado com defeito, ou porque dito fornecimento foi interrompido.
  • As petições são, regra geral, bastante lacônicas, limitando-se a afirmar que na rede de distribuição de energia da concessionária local teria ocorrido ‘oscilação de tensão’, ou ‘oscilação na energia’, ou ‘queda na tensão’, ou ‘queda na voltagem’, ou ainda, ‘pico de tensão’.
  • Utilizando-se de uma dessas expressões as petições informam que ela teria provocado a ‘queima’ de tais e quais aparelhos, máquinas ou equipamentos que utilizavam energia elétrica para funcionamento, orçam o prejuízo do consumidor, e requerem o ressarcimento.
  • Neste artigo serão examinadas algumas questões que devem ser conhecidas por todos os operadores do direito que se envolvem no âmbito de ações judiciais dessa natureza.
  • A questão técnica principal que essas ações indenizatórias trazem é a de se saber se os danos observados nos aparelhos que utilizam energia elétrica decorreram i) do fornecimento de energia defeituoso; ou ii) do fim da vida útil deles; ou iii) de defeito na instalação elétrica interna do consumidor.
  • De início é necessário que se tenha claro: é dificílima, em grande parte dos casos, se saber a verdadeira causa dos danos alegados.
You might be interested:  Tabela De Óleo Da Bengala Da 160?

Para que o leitor possa ter compreensão perfeita do que se abordará neste arrazoado é necessário que se lhe esclareçam, primeiramente, alguns conceitos próprios do setor elétrico no que se refere aos serviços de distribuição de energia elétrica. Nesse sentido, pede-se, então, alguma dose de sua paciência. Pois bem, essas subestações fazem o rebaixamento das altíssimas tensões, ou voltagem, das linhas de transmissão (que trazem energia desde as usinas geradoras) para as chamadas médias tensões, ou tensões de distribuição. Explicite-se com números. Uma determinada subestação de distribuição recebe energia elétrica de 230.000 Volts.

Seus transformadores rebaixam essa tensão para 13800 volts. Dessa subestação saem várias linhas de distribuição de energia de 13800 Volts, uma para cada bairro de uma cidade, por exemplo. À medida que essa linha de distribuição vai percorrendo as ruas de um desses bairros outros transformadores, instalados em postes de distribuição, rebaixam novamente essa alta tensão para as tensões de utilização pelos consumidores.

Assim, continuando o exemplo, os 13800 Volts são rebaixados para as tensões de utilização de 220 Volts, ou 127 Volts, que são as tensões que chegam nas residências, comércios, etc. A pergunta que importa saber responder é: qual a obrigação legal da distribuidora de energia com relação ao fornecimento de energia aos consumidores finais quanto aos níveis dessas tensões.

  1. Conforme as linhas de distribuição de 13800 Volts vão se distanciando da subestação é normal que essa voltagem vá caindo, por exemplo para 13200 Volts em um bairro, ou para 12700 Volts em um outro mais distante.
  2. Desse modo, a concessionária distribuidora obriga-se a investir em reforços de cabos condutores e equipamentos elétricos de forma a, tanto quanto possível, manter a tensão igual ou próxima da tensão nominal da rede.

Isso tudo para que ao consumidor final a tensão possa chegar dentro de níveis de tolerância para mais ou para menos, de acordo com regras fixadas pela Agência nacional de Energia Elétrica- Aneel. Para a tensão nominal de 220 Volts, por exemplo, a faixa de tolerância admitida por essas normas legais variam de uma tensão mínima de 201 Volts, e uma máxima de 231 Volts.

Para a tensão nominal de 127 Volts esses limites são de 116 e 133 Volts, respectivamente. Fora dessas faixas de tolerâncias diz-se, então, que o fornecimento de energia elétrica é defeituoso, ou, que é o que importa saber, a concessionária que entregar energia elétrica ao consumidor final foram dessa faixa terá obrigação legal de indenizá-lo caso o fornecimento defeituoso lhe cause danos materiais.

Mas é necessário que se saiba que a obrigação da concessionária é fazer o fornecimento de energia com a tensão elétrica dentro daquela faixa de tolerância no que se denomina ‘ponto de entrega’ da energia que, normalmente, localiza-se no chamado ‘padrão’, que é o postinho na frente das residências (no limite da propriedade privada com a via pública), onde se instala o medidor de energia, no caso do consumidor residencial.

Ou seja, para cada caso de fornecimento as normas legais determinam com precisão qual é o ‘ponto de entrega’, que é definido nas normas como o ponto onde termina a obrigação da concessionária e se inicia a obrigação do consumidor de manter a tensão elétrica dentro dos padrões técnicos adequados. Ocorre que, assim como a tensão elétrica vai caindo ao longo da rede de distribuição da concessionária, assim também nas instalações elétricas internas do consumidor, a tensão cai na medida em que se afasta do ponto de entrega.

Sabe-se que todo equipamento, ou máquina, enfim, tudo o que utiliza energia elétrica para seu funcionamento é projetado para operar dentro da faixa de tensão permitida pela legislação, nos moldes acima delineados. Mas tais equipamentos não tem capacidade de detectar de onde advém eventual inconformidade nessas tensões.

  • De fato, pouco se lhes dá: eles ‘queimam’, quer a inconformidade se origine na rede distribuição da concessionária, ou das instalações internas do consumidor.
  • Para se saber se o fornecimento de energia que a concessionária está fazendo em determinado local está dentro do padrão correto é muito fácil: basta que se meça a tensão com um voltímetro.

Mas o fato dessa medição indicar valor correto não necessariamente é condição necessária e suficiente para afastar eventual responsabilidade da concessionária em ação de indenização, e isso porque a tensão pode sofrer variação, para mais ou para menos, de forma transitória, o que significa variação em tempo curtíssimo, da ordem de milésimo, ou mesmo milionésimo de segundo.

O que se quer dizer, e é isso que o leitor precisa ter claro, é que existe uma gama significativa de fenômenos elétricos que podem causar danos elétricos, ainda que a rede de distribuição esteja em funcionamento dentro das normas técnicas. E mais, deve ficar também bem compreendido que tais fenômenos podem ocorrer por ação ou omissão do consumidor.

Exemplos simples ajudarão nessa compreensão. Figure-se o proprietário que compra longa extensão para ligar sua máquina de cortar grama para poder alcançar ponto distante do seu quintal. Costuma ocorrer que essa extensão fique quente quando o cortador estiver funcionando.

  • A tradução para a temperatura alta é: esses condutores estavam sub dimensionados; e, por isso, a tensão que chegará ao motor pode estar abaixo da faixa de tolerância, podendo queimá-lo.
  • Sim: sub tensão também queima máquinas elétricas.
  • Equipamentos e aparelhos que tem bobinas em sua construção interna podem ficar danificados quando submetidos a sub tensões; e, lembre-se, nos seguintes aparelhos elas são encontradas: geladeira, freezers, liquidificadores, aspirador de pó, ar condicionado, batedeira, televisores, etc.

Já as sobre tensões também causam estragos e, como se disse acima, são as causas mais alegadas de danos elétricos. As sobre tensões de curta duração advém de várias fontes. A mais conhecida delas é o raio. Trata-se de descargas atmosféricas que podem atingir diretamente uma rede de distribuição da concessionária e, com isso, espraiar ondas de tensão elétrica de alta voltagem ao longo da rede.

  1. Observe-se que em cada transformador de distribuição da concessionária existe proteção elétrica contra essa sobre tensão: são os para-raios, responsáveis por escoar a onda de tensão para o solo, para longe das instalações internas dos consumidores.
  2. Os danos elétricos causados por sobre tensão dessa magnitude costuma deixar rastros: é comum se verificar, nas tomadas em que os aparelhos danificados estavam ligados, marcas de carbonização, ou nos próprios aparelhos que queimaram são visíveis os estragos causados.

Note-se que, principalmente na área rural, onde longas redes de baixa tensão são consideradas pertencentes às instalações internas, a chance de sobre tensão por raio é praticamente igual, isto é, é grande a probabilidade do raio ter-se originado nas instalações do próprio consumidor.

  • Uma outra sobre tensão bastante citada como fonte de danos é a que se denomina sobre tensão de manobra.
  • Ela pode ocorrer quando uma linha de distribuição é desligada e ligada logo a seguir.
  • Pode ocorrer que, quando da religação, desenvolver-se uma onda transitória de tensão de alta voltagem, mas por tempo suficiente para provocar danos, especialmente em equipamentos eletrônicos.
You might be interested:  Tabela De Preço Para Instalação De Câmeras?

Ondas transitórias de tensão, que podem ocasionar problemas no funcionamento de equipamentos elétricos, também podem ter origem nas instalações internas dos consumidores. Há uma gama grande de ‘transientes de comutação’ que se observam cotidianamente em todas as instalações elétricas dos consumidores.

  1. A finalidade deste artigo é mostrar que a tarefa de demonstrar a origem de um dano elétrico é complexa.
  2. De modo que o poder judiciário fica, na maioria dos casos, literalmente, em dificuldade quase intransponível em sua tarefa de certificar o direito do consumidor reclamante, haja vista que os casos lhes são apresentados de forma sucinta, a partir de alegações genéricas.
  3. Tem-se notado, todavia, que a jurisprudência está sendo encaminhada no sentido de não admitir que a parte interessada alegue tão somente a existência de ‘muitos raios no dia do sinistro’, ou ‘ocorreu uma oscilação na energia’, ou expressões que tais para determinar o direito de ressarcimento de prejuízos.

No campo probatório também são observados avanços. Ações judiciais intentadas quando decorrido muito tempo da data das ocorrências tidas como danosas, em que as provas já não são possíveis de serem produzidas (dá-se, por exemplo, conveniente sumiço no equipamento danificado) já não são vistas com bons olhos nas decisões mais recentes.

  • A conclusão que se pode tirar de tudo o quanto acima foi exposto é que é necessário mais acurácia na análise das causas dos danos.
  • Sem exame técnico profundo nesse campo corre-se o risco de transformar as ações de indenizações em exercícios de adivinhação, onde as conclusões quanto à responsabilidade e origem da causa danosa pode dar razão a um lado ou outro, mas sem que isso, não obstante defina o direito, possa ser levado à conta de decisão correta, muito menos justa.

: OSCILAÇÃO DE ENERGIA. DANO ELÉTRICO. INDENIZAÇÕES

Qual é a voltagem normal de uma casa?

O que é tensão elétrica? – Tensão elétrica é a força que empurra a corrente elétrica. Ela é conhecida popularmente como voltagem. A medida que representa a tensão é o Volt (V). Para entender melhor o que é tensão elétrica, primeiro temos que compreender como funciona uma corrente elétrica.

Tensão: o que é corrente elétrica? A corrente elétrica é o movimento ordenado dos elétrons. Mas para que qualquer coisa se movimente, é necessário que exista uma força que estimule a movimentação. Essa força que impulsiona os elétrons é conhecida como tensão elétrica. A tensão elétrica também é chamada de diferença de potencial (d.d.p).

E por que ela recebe esse nome? Vamos imaginar uma bateria. Ela tem dois pólos, o positivo (+) e negativo (-). Os dois pólos tem potenciais diferentes, ou seja, o número de elétrons é maior em um dos pólos e menor no outro. Quando essa bateria é ligada em um receptor (uma lâmpada, por exemplo), a tensão elétrica faz com que os elétrons presentes nos dois pólos se movimentem.

onde:V=Tensão Elétrica W=Trabalho Q=Carga

Alguns exemplos de geradores de tensão são as usinas elétricas, as pilhas e baterias. Tensão: usina elétrica é um exemplo de gerador de tensão Quando falamos residencial, as tomadas têm a diferença de potencial entre dois (ou mais) pinos. Essa tensão pode ser de 127 volts ou 220 volts, dependendo da concessionária que abastece a região.

Quais são os limites de queda de tensão admitidos pela NBR 5410?

1 – Limites de queda de tensão fixados pela NBR 5410: 4% para as instalações alimentadas diretamente pela rede de distribuição pública de baixa tensão; e 7% para as insta- lações que contam com subestação própria ou com geração própria. Além disso, a queda de tensão máxima admissível nos circuitos terminais é de 4%.

Qual é o valor de baixa tensão Segundo nr10?

Extra-baixa tensão — EBT – A primeira classificação de tensão, segundo a NR-10, não deve ultrapassar o valor de 50 volts para tipos de corrente alternada, ou, nos casos de corrente contínua, não pode ser maior que 120 volts, entre fases ou entre fase e terra.

O que é NBR 5410 atualizada?

A NBR 5410 (Instalações Elétricas de Baixa Tensão), é uma norma brasileira que tem como seu objetivo manter a segurança de pessoas e animais, a preservação dos bens materiais e o funcionamento correto das instalações elétricas, aplicando- se em todos os tipos de edificações que possuem instalações em baixa tensão, por

Qual fio usar para 300 metros?

Devolução em até 30 dias – Televisores, tablets e eletrônicos em geral novos enviados pela Amazon.com.br podem ser devolvidos em até 30 dias após o recebimento do pedido, desde que estejam em condições de novo, com todas as embalagens, manuais de uso e acessórios originais.

Além disso, devem estar com a etiqueta interna (lacre de garantia) original do fabricante intacta. Televisores, tablets e eletrônicos em geral novos enviados pela Amazon.com.br que estiverem com defeito podem ser devolvidos em até 90 dias após a data de recebimento para receberem o reembolso total. Nota : Antes de devolver itens nos quais você salvou informações pessoais, apague essas informações completamente.

Quando você faz um pedido cujo produto é anunciado, vendido e enviado diretamente por um vendedor terceiro, sua devolução deve ser enviada para tal vendedor. Você pode solicitar a devolução no e o vendedor responderá com as instruções para devolução no prazo de 2 dias úteis.

Qual cabo usar para 300 metros?

Seção Diâmetro Corrente Máx
150 15,89 240
185 17,64 273
240 19,80 321
300 22,32 367

Qual fio usar para 70 amperes?

A indicação é de um cabo PP de 3 vias, com bitola de 2,5 mm², em média. Mas se o seu ar condicionado for mais potente, você poderá usar uma bitola maior, de até 6 mm².

Qual cabo usar para uma distância de 200 metros?

Fio Cabo Sil Flexível 35mm Preto 200 Metros – R$ 5.918,57 CABO FLEXIVEL SIL 35,0MM PRETO 750V ( 200 METROS)Conheça os Cabos Flexíveis 750V da Sil indicados para instalações internas e fixas em circuitos de força, luz, comandos e sinalizações de residências, comércios e industrias.

  1. Sua instalação e manuseio é facilitada pela sua flexibilidade (extra flexível).
  2. Sua condução e feita por fios de cobre que atendem as norma ABNT NM 280 que suportam até 750 volts de tensão isolados por uma camada dupla de polivinilíco tipo BWF resistente a propagação de chamas, sendo que a camada externa possui característica extra deslizante facilitando a aplicação do produto em eletro dutos.

– Tensão Nominal: 450V~750V – Temperatura Máxima: 70ºAPLICAÇÃO: Recomendado para instalações internas e fixas em circuitos de força, luz, comandos, sinalizações, etc., em construções residenciais, comerciais e industriais. Por se tratar de um produto com boa flexibilidade, possui maior facilidade de instalação e manuseio.CONDUTOR: Fios de Cobre, têmpera mole, classe 4 até a seção nominal de 6mm² e classe 5 a partir da seção 10mm² (extra flexível) atendendo a norma ABNT NM 280.ISOLAÇÃO: Composto termoplástico polivinílico (PVC) tipo BWF (Resistente à propagação de chamas).

You might be interested:  Tabela De Medidas De Peixes Do Ibama 2015?

Nas seções nominais até 10mm² a isolação é feita em Dupla Camada sendo que a camada externa possui característica extra deslizante facilitando a aplicação do produto em eletro dutos.NORMA DE REFERÊNCIA: NBR NM 247-3 – Cabos Isolados com Policloreto de Vinila (PVC) para tensões nominais até 450/750V, inclusive – Parte 3: condutores isolado (sem cobertura) para instalações fixas (IEC 60227-3 MOD.).NORMAS APLICÁVEIS: NBR NM 280 e NBR NM 247-2.DESIGNAÇÃO DO PRODUTO: Classe 4 – 247 NM 02 – C4 BWF-B, Classe 5 – 247 NM 02 – C 5 BWFB._Logística_Os produtos adquiridos conosco são postados em até 01 dia útil após a confirmação de compra por parte do Mercado Livre e seguem assegurados pelo Mercado Envios que garantem a entrega.

Sendo assim sua compra é 100% Segura. Dependendo da hora do pedido aprovado, entregamos no mesmo dia.Todas as nossas entregas são feitas pelo Mercado Livre e não pela nossa empresa, qualquer tipo de atraso na entrega é de responsabilidade do Mercado Livre._Nota Fiscal_Como forma de transparência fiscal e obediências as leis vigentes no país, todos os pedidos enviados pela nossa empresa acompanham nota fiscal eletrônica, 100% dos nossos produtos são novos e adquiridos do fabricante oficial no Brasil._SAC_Após a confirmação e aprovação de compra por parte do Mercado Livre você terá acesso a todos os nossos contatos, podendo contar com a nossa equipe de atendimento.

  • Lembrando que poderá efetuar perguntas na página do anúncio antes de efetuar a compra._Nossa Empresa_O Grupo ELEL Distribuição Brasil fundada em 1986 é umas das maiores empresas de Material Elétrico do Brasil.
  • Atendemos todo território Nacional com qualidade no atendimento, preços justos e competitivos.

: Fio Cabo Sil Flexível 35mm Preto 200 Metros – R$ 5.918,57

Qual fio para suportar 4000 Watts?

Verifique a compatibilidade

Tensão Potência Fiação (mm²)
127 V 2500 W 4
127 V 3200 W 4
127 V 4000 W 6
127 V 4500 W 6

Quantos Watts o fio 2-5 aguenta 220V?

Quantas tomadas posso ligar no mesmo fio 2.5? – Pode-se dizer que um fio de 2.5mm pode alimentar cerca de dez tomadas comuns, de até 100 watts, Esse tipo de fio é capaz de suportar uma potência de até 1500 watts, desde que a instalação seja feita adequadamente.

  1. Por isso, sempre que a instalação é feita, deve-se considerar uma boa margem de segurança para que a potência não ultrapasse o limite do fio.
  2. Se o limite de um fio for ultrapassado, vários problemas em cadeia podem acontecer.
  3. E muitas vezes, esse problema não é percebido de maneira ágil para que se possa intervir e corrigir.

Por isso, sempre que você vai fazer um projeto elétrico, conte com um estudo técnico e detalhado feito por um profissional, Nunca coloque fios e instalações na base do “achismo”, pois isso pode trazer graves problemas. Quantas tomadas posso ligar no mesmo fio 2.5?

Quanto aguenta cada bitola de fio?

BITOLAS X USOS

Bitola Uso Indicado
1,5 mm² Circuitos com corrente máxima de 15,5 Ampères (A)
2,5 mm² Circuitos com corrente máxima de 21 Ampères (A)
4 mm² Circuitos com corrente máxima de 28 Ampères (A)
6 mm² Circuitos com corrente máxima de 36 Ampères (A)

Quando devo usar o cabo de 16mm?

Aplicação do fio 16 mm O fio 16 mm costuma ser muito utilizado para entrada de quadros de energia elétrica, por apresentar a bitola necessária para a instalação e promover o suporte para a variação da potência na corrente elétrica.

Onde se usa fio 4 mm?

4 mm²: circuitos de tomadas simples, de torneiras e chuveiros elétricos e de aparelhos de ar-condicionado de pequeno porte.6 mm²: circuitos de torneiras e chuveiros elétricos e de aparelhos de ar-condicionado de pequeno porte.10 mm²: quadro de entrada de energia elétrica residencial.

Como saber a tensão da energia?

Como saber se uma tomada tem voltagem 110V ou 220V? Um técnico em eletricidade ( electrical technician ), provavelmente fará o teste usando um voltímetro ( voltimeter ). Ele colocara os dois terminais do medidor na tomada (socket) e fará a leitura da voltagem.

Mas você pode usar um abajur ( desk lamp ). Coloque uma lâmpada 220V nele e ligue-o na tomada. Se a luz for fraca ( weak ), a tensão é de 110V. Se acender forte ( strong ), com a luminosidade normal da lâmpada, a tensão da tomada é de 220V. Sabendo com certeza a voltagem ( voltage ) da tomada, você pode ligar, com segurança, o seu aparelho eletro-eletrônico ( electric and electronic device ).

Adaptado de: Acesso em 12/04/13 : Como saber se uma tomada tem voltagem 110V ou 220V?

Quando a tensão cai?

Queda de tensão: Como evitar este problema nas instalações elétricas – G20 – Materiais elétricos para todo o Brasil Máquinas e equipamentos elétricos convencionais são projetados para funcionar na tensão de 127 V e/ou 220 V e pequenas alterações na tensão de uso, em torno de 5%, não costumam comprometer a sua utilização. Em alguns casos, contudo, uma queda de tensão muito maior pode ocorrer, resultando em mau funcionamento ou risco de danos ao equipamento em questão.

  • A queda de tensão geralmente está associada ao mau dimensionamento dos condutores elétricos.
  • Mesmo com as excelentes características de condução de eletricidade do cobre, deve-se considerar que os cabos possuem resistência elétrica, isto é, ocorrerão pequenas perdas de tensão no condutor.
  • Fios e cabos de cobre terão menor resistência elétrica quanto maior for a sua bitola.

Por esse motivo, quando se trata da capacidade de corrente para um determinado cabo, esta cresce conforme aumenta a área de seção do condutor (em milímetros quadrados). Mas a resistência elétrica de um cabo não depende apenas de sua bitola, depende também do seu comprimento.

  • Neste caso, a resistência elétrica do cabo cresce conforme seu comprimento aumenta.
  • Assim, em um longo lance de cabos a resistência elétrica pode ser considerável, causando queda de tensão.
  • Outro fator que também pode aumentar a resistência dos condutores são emendas e conexões mal instaladas ou com materiais inadequados.

Neste caso, além de contribuir para o problema de queda de tensão, há também um aquecimento excessivo no ponto de conexão. Em sistemas de iluminação, a queda de tensão se evidencia pela luminosidade reduzida das lâmpadas e queima frequente dos reatores e lâmpadas.

Quando ocorre em máquinas, provoca perda da potência e riscos de danos aos motores. A condição é detectada medindo-se a tensão (em volts) no ponto de uso com um multímetro ou voltímetro, estando o equipamento ou máquina elétrica funcionando a plena carga (se for um chuveiro, por exemplo, deve estar ligado na temperatura de inverno).

Ocorrendo uma queda de tensão excessiva em dado ponto da instalação, a correção normalmente se dá através do redimensionamento dos cabos, substituindo o lance de fiação problemático por cabos de maior bitola. É recomendável consultar um profissional habilitado na área para verificar a bitola ideal do novo cabo.

  • O problema de queda de tensão costuma ocorrer em lances de fiação de 30 metros ou mais, e pode ser prevenido já na fase de projeto.
  • Conforme a da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em instalações atendidas por rede de baixa tensão, o limite máximo para queda de tensão no ponto de uso deve ser 5% em relação ao ponto de entrega da concessionária.

Visite a página da G20() e conheça materiais de qualidade para instalações elétricas de sua casa, empresa ou empreendimento. : Queda de tensão: Como evitar este problema nas instalações elétricas – G20 – Materiais elétricos para todo o Brasil